ABRAGNOSE - Academia Brasileira de Gnose

O Despertar de Kundalini

Entendemos que esse é um tema muito importante. Bem verdade que já tratamos esse tema duas ou três vezes, porém, este tema se tornou muito importante porque queremos encerrar hoje um conjunto de três aulas especiais.

A primeira foi sobre Sexualidade gnóstica para solteiros, a segunda foi sobre Sexualidade gnóstica para casados, e hoje, então, queremos voltar ao tema com O Despertar de Kundalini.

Antes vamos transmitir a idéia básica e fundamental do que é Kundalini; a pseudo-literatura esotérica popular tem profanado a verdadeira natureza ou a verdadeira realidade de Kundalini.

Não só não sabem nada como estão muito longe de saber o que quer que seja a respeito de Kundalini. Nessa literatura, o máximo de bons conceitos que conseguimos reunir, diz que é um fogo, uma energia, um poder serpentino, uma força anular ou cósmica, etc.

Não vamos dizer que tais idéias sejam falsas; não é… Kundalini, de fato, é um fogo, uma energia, um poder; porém, ao repetir isso mecanicamente, simplesmente por haverem lido em livros, mascara-se a própria ignorância a respeito de Kundalini. Para nós, Kundalini é algo vivo, uma realidade concreta.

Podemos dizer que Kundalini é um Ser; não deixa de ser verdade; mas também não deixa de ser um tanto quanto incompleto. Kundalini, como muito bem sempre disse o Mestre Samael, é a Mãe Divina. Ela pode se apresentar em forma de uma serpente, como retratam os orientais, mas, acima de tudo, Kundalini é algo vivo, é um Ser.

Para ser mais exato e preciso, temos que dizer que Kundalini é Deus – no caso, Deusa; trata-se do aspecto feminino de Deus.

Deus se apresentou aos profetas, a Moises e a tantos em forma de fogo vivo, ardente, como é no caso da sarça ardente de Horeb, como João relata no Apocalipse. Tudo isso são formas, alegorias, uma forma pela qual Deus ou a Deusa – ou isso que chamamos de Mãe Divina – se apresenta a nós.

Somente saberá o que é Kundalini aquele que houver despertado em si o seu Kundalini; antes disso, por mais compreensão ou idéia que possa se fazer, não corresponderá à realidade. Sempre será uma idéia a respeito de algo, mas não será e não se parecerá com a realidade, como algo vivo, forte, intenso, diante de você.

Para conhecer Kundalini é preciso despertar primeiro; quem não desperta não sabe, não pode saber. Esta é a idéia primeira que queremos passar a todos para romper um pouco com essa mecanicidade de repetir o que está nos livros, olhar um pouco mais profundamente, tratar de perceber e compreender que quando mencionamos “Kundalini”, estamos falando de Deus, do aspecto feminino da divindade.

Como Ele se apresenta ou Ela se apresenta a você, isso é muito individual, particular. Colocado isso, há algo que também precisa ser ressaltado: há muitos equivocados sinceros, esses que repetem o que está nos livros, esses que acham, pensam e acreditam que o despertar de Kundalini vai se dar por acidente [ou ao acaso…].

Nada pode estar mais longe da verdade do que a idéia, que chega a ser estapafúrdia, a tal ponto que se configura como uma confissão pública de que nada se sabe de Kundalini. Kundalini não desperta por acaso, nem desperta mecanicamente.

Se acabamos de dizer que é algo vivo, que é uma expressão feminina da divindade, então, jamais pode ser entendida como algo cego, mecânico, algo que precisa ser lidado com certos cuidados como se ensina por aí a pseudo-literatura esotérica.

Outra coisa muito importante, extremamente importante, sobre Kundalini é: Kundalini jamais desperta nos indignos. Justamente por esse motivo mencionado – de Kundalini ser algo vivo, de se tratar do aspecto feminino de Deus dentro de nós – que não pode despertar acidentalmente…

Então, todos esses que são dados a uma vida devassa, que são dados aos vícios, aos prazeres, e a todos os tipos de gratificações sensoriais, nesses Kundalini jamais despertará.

Conhecemos pessoas, casadas há muitos anos, vinte, trinta anos e que até hoje não receberam o fogo. Isso é estatisticamente considerável nas fileiras gnósticas; mencionamos especificamente as fileiras gnósticas porque sabemos que mesmo com todos os defeitos que existem dentro das instituições gnósticas ainda são as que mais se aproximam do verdadeiro ensinamento acerca desses Mistérios.

Se dentro da Gnose há pessoas que estão há vinte, trinta anos e não receberam o fogo, é porque não reuniram em si os méritos de coração, não lograram fazer em si a purificação mínima necessária; sua conduta não permite que Kundalini seja despertado; imaginem então fora deste ambiente, imaginem como esses por aí que se embebedam todas as noites, vão para as baladas, que se divertem, ou que são dados a adultérios, ou que são dados a toda classe de devassidão…

Quem fala em despertar de Kundalini, em ativar Kundalini sem considerar esses aspectos, falando sobre isso como quem fala de futebol, é porque nada sabem de Kundalini, nunca entenderam nada; alimentaram-se apenas da pseudo-literatura.

Não estamos aqui para convencer nenhum cético, nenhum ignorante espiritual esotérico. Cada um é livre para escolher os caminhos que acha que deve percorrer. Então, obviamente, não perderemos nosso tempo convencendo ninguém de coisa alguma. Falamos o que nos consta, o que sabemos; aceita e aproveita quem quer.

Queremos apenas abreviar o tempo, a angústia e o sofrimento daqueles poucos e raros sinceros que podemos encontrar hoje pelo mundo; é apenas isso, nada mais do que isso.

Portanto, dentro da Gnose, é dito e repetido sistematicamente que Kundalini desperta com os méritos do coração. Méritos do coração se adquirem vivendo a conduta reta, a mística, seguindo e praticando exemplos como o de Francisco de Assis e outros místicos que nos antecederam.

A Gnose não é um exercício para ser praticado cinco minutos antes de deitar. Gnose é um sistema, uma filosofia de vida que é preciso viver de acordo. A iniciação é nossa própria vida bem vivida, vida retamente vivida, é conduta reta. A conduta reta se caracteriza por servir a vida, o próximo, a humanidade. A caridade universal é o terceiro fator de revolução de consciência.

Kundalini não desperta nos egoístas, nos que apenas pensam em si mesmos, no seu próprio conforto, progresso, avanço. Kundalini não desperta naqueles que não compartilham com os demais o pouco que conseguem recolher do rio da existência – isso nos ensinou o Mestre Samael.

É claro que para despertar Kundalini é preciso que façamos diariamente a morte dos defeitos. Devemos fazer a purificação da mente, dos pensamentos, dos sentimentos. O que queremos enfatizar e destacar hoje é essa questão de que Kundalini não é algo cego, mecânico.

Para dar uma idéia mais clara, vamos supor que Kundalini seja uma jóia rara no universo.

Em estado latente, cada um traz o potencial do valor dessa jóia. Portanto, em algum lugar do universo estão reunidas todas as jóias. Este lugar é protegido por poderosos guardiões.

Para que uma dessas jóias seja retirada dali, é preciso permissão da Lei Divina. Sem permissão, a jóia não é entregue.

Considerando-se que a autorização final quem dá é a Mãe Divina de cada um de nós, se Ela não autoriza, o filho terrestre simplesmente não recebe nada. Em outras palavras, se a Mãe não autoriza, o filho não desperta Kundalini, como se diz aqui, em nosso mundo, em nosso dia-a-dia.

Mas quem faz esse trabalho de despertar o fogo? – isso é muito importante.

O Mestre Samael diz o seguinte: “Para Kundalini existe um especialista que guia e conduz o fogo de vértebra em vértebra.”.

Então, temos aí duas realidades muito importantes: a 1ª é que a Mãe Divina não dá autorização para o filho indigno, para o filho que não valoriza, que desconhece, esbanjador, devasso. Aqueles que trabalham seriamente sobre si vão formando méritos no coração; são as virtudes fundamentais. Isso é como corrigir a acidez do solo para plantar, para lançar depois a semente; o agricultor sabe que um solo fraco, um solo pobre, não corrigido, se receber a semente, faz a semente germinar, mas será uma planta fraca e débil.

Ora, se isso sabe um simples agricultor aqui do Brasil, quanto mais saberá nossa Mãe Divina, quanto mais saberão os Mestres da Loja Branca, que são os agricultores, são aqueles que jogam a semente divina no solo humano para nascer Deuses, Deusas, Anjos, Arcanjos, Mestres e Buddhas.

Todo aquele que trabalha seriamente sobre si, com profundidade, responsabilidade, constância, fazendo o trabalho de purificação interior, equivale a preparar o solo filosofal, a corrigir a acidez, a torná-lo fértil. Quando estiver pronto, a Mãe Divina autoriza os Mestres da Loja Branca a despertar, levantar e conduzir este fogo sagrado, esta energia, esse poder, a chama que na verdade vem a ser a própria Mãe Divina individualizada e personalizada.

Mas também sabemos que a Mãe Divina individual de cada um de nós é uma célula da Grande Mãe cósmica. O corpo de Nuith ou Neith é formado por células, átomos ou moléculas – e cada átomo, molécula ou célula dessas é a Mãe Divina Particular de cada um de nós.

Quando nós, aqui na Terra, trabalhamos sobre nós, corrigindo o solo filosofal, o que equivale a preparar o solo para o advento do fogo individual, para que nossa Mãe Divina possa nascer em nós, tomar conta de nós, apoderar-se totalmente de nós. E à medida que outras Mães vão fazendo à mesma coisa nos seus filhos, isso vai provocando uma grande transformação em nível planetário, depois em nível de sistema solar, e por fim, em nível de galáxia.

Ao final de um grande dia cósmico os Deuses recolhem os frutos desse trabalho. Um dia cósmico termina quando se atinge o número de frutos necessários referentes àquela plantação ou colheita; aí o universo se dissolve… Simples assim, meus amigos! Colocando em palavras bem simples, para que todos possam entender – e oxalá todos entendam com essa simplicidade…

Kundalini é algo vivo, é a própria divindade viva em nós. Para que se manifeste, para que se apodere de nós, para que desperte e se levante e acenda ao longo da coluna é preciso que façamos nosso trabalho individual, aqui descrito em palavras como méritos do coração, purificação interior (conduta reta, práticas esotéricas ) e com o servir desinteressadamente a humanidade.

Dito isso, acreditamos ter ficado claro para todos que a sexualidade gnóstica para solteiros e para casados é fundamental.

Para o solteiro despertar seu fogo interior falamos na aula anterior; o mesmo para os casais. Hoje, estamos complementando o tema. Ao falarmos da sexualidade gnóstica para solteiros, dissemos que esses podem despertar e levantar seu Kundalini por polarização divina, sob a condição de, em alguma vida anterior, haver criado seu corpo astral solar, mental solar ou até mesmo o seu corpo da vontade consciente solar.

Esses que em vidas anteriores construíram já um desses corpos, mesmo solteiros hoje, se trabalharem sobre si, se reunirem em si os méritos do coração, vivendo a Gnose na prática, confiem; terão seu fogo despertado na hora adequada…

É difícil passar às pessoas o que é a realidade do mundo dos Deuses; é difícil passar em palavras e fazer alguém perceber qual é o poder e a realidade que se escondem além dos nossos cinco sentidos. Por isso exortamos a todos dizendo simplesmente: CONFIEM! Tenham esta fé, esta confiança. Pratiquem, porque em praticando, as coisas vão sendo dadas, e ninguém precisa acreditar em nossas palavras ou lutar contra nossas palavras.

Não estamos aqui para convencer ninguém, não estamos vendendo nada, não estamos aqui pedindo absolutamente nada em troca, não estamos pedindo fidelidade, nem contribuições financeiras ou econômicas, não queremos formar carteira de fiéis ou seguidores, nada disso.

Estamos aqui simplesmente repartindo pública e abertamente alguma coisa que o bom senso nos permite falar; não podemos ir além porque não há entendimento suficiente no momento. Então nos limitamos a estas palavras; tratamos de explicar as coisas com essas metáforas, com esses recursos que temos à mão.

Aqueles que fizerem sua parte, que confiarem, que trabalharem para isso, saberão por si sós. O que podemos dizer é, sim, nós acreditamos em tudo isso; ninguém nunca nos deu demonstrações de nada. Simplesmente, por intuição, ou qualquer outro meio ou faculdade ou sistema que vocês possam atribuir, reconhecíamos, sabíamos ou sempre soubemos que as coisas eram assim, mesmo sem ter entendimento necessário; simplesmente sabíamos que aquilo que nos ensinava o Mestre Samael era verdade.

Só que ainda não tínhamos a capacidade de encarnar, absorver ou ancorar todas aquelas verdades, mas hoje podemos testemunhar muita coisa daquilo que nos ensinou o Mestre Samael sobre o caminho da iniciação, sobre os requisitos, e dar testemunho de que realmente vale a pena dedicar parte da sua vida a trabalhar sobre si porque as coisas são dadas no tempo certo… Confiem!

É como o agricultor que lança a semente a terra; a semente, uma vez na terra, segue o ciclo de germinação, desenvolvimento, florescimento, e mais tarde, de frutos, seja em forma de grão ou em forma de fruta mesmo, cumprindo assim o seu ciclo. As condições para isso estão muito claras para todo estudante médio dentro das fileiras gnósticas.

Quem está chegando agora e nunca ouviu falar disso ou pouco ouviu para falar disso terá que fazer a sua parte, que é estudar a doutrina; para isso, além dos livros do Mestre Samael que estão em nosso site, recomendamos também a audição, a leitura, estudo das transcrições destas aulas.

Kundalini é algo vivo; não é algo mecânico; é a divindade em nós. Quem desperta ou autoriza o despertar é a própria Mãe Divina. Não sei se vou conseguir ter a felicidade de descrever adequadamente ou apropriadamente o processo de despertar… Mas o trabalho de Buddhas, Mestres e Deuses que têm por atribuição nos mundos internos a tarefa de receber, ajudar e cuidar de novos chelas, lanus e discípulos é similar à tarefa dos médicos aqui em nosso mundo…

Vamos colocar da seguinte forma: um médico, que trabalha num hospital ou clínica, ou no pronto socorro, recebe ali, durante o seu plantão, seu dia de trabalho, gente que se acidentou em automóvel, ferido em briga, que apresenta escoriações, ossos quebrados e às vezes hemorragia… Outras vezes, ferimentos graves, intoxicação, envenenamento… Imaginem o ambiente hospitalar, onde a cada hora chegam novos pacientes enquanto na outra ponta outros estão recebendo alta…

Na Loja Branca é mais ou menos assim: nós chegamos lá arrebentados, estropiados, intoxicados, envenenados, cegos, surdos, mudos, cobertos de fezes, maltrapilhos e famintos feitos mendigo…

Aqueles que iniciam o trabalho sobre si são como se fossem tomar um banho… Quando alguém se lança nesse caminho seriamente, ele toma esse banho inicial e alguém lhe dá roupas limpas; passa então a usar roupas limpas. Ele não está bonito, não é um Mestre resplandecente; está apresentável; não tem aquele mau cheiro de quem não se lava há muito tempo; dá para nos aproximar dele e conversar; e aí segue a rotina de recuperação do paciente [ou do vagamundo…].

Se ele seguir a dieta, o tratamento, a disciplina, se realmente for obediente às recomendações “médicas”, que são as recomendações dadas pelos Instrutores, Buddhas e Mestres que têm a seu cargo nos purificar internamente – e eles fazem isso à condição que nós façamos nossa parte aqui e agora neste mundo físico – as coisas vão melhorando [para aquele que foi recolhido das ruas do mundo…].

Depois nos dão uma roupa branca e passaremos a ser reconhecidos como um “novato” que usa roupa branca. Evidente, que não tem grau nenhum, mas significa que é alguém que está se recuperando bem…

E por aí segue a rotina ao longo dos meses, e, às vezes, dos anos: Purificações lentas, profundas, até que um dia aquele que outrora foi um vagamundo está pronto para o despertar do fogo.

Antes que o fogo possa despertar, nossa coluna precisa ser revisada, desmontada e inúmeras peças, das quais não fazemos a mínima idéia de sua existência e de como é visto internamente, são reconstruídas.

Quando em purificação e limpeza, as colunas são literalmente desmontadas como se desmonta o motor de um carro, de uma máquina, de um equipamento – e tudo isso é refeito, refundido, remanufaturado; depois, volta-se a montar tudo, e o conjunto é fixado novamente no lugar…

Depois que toda a instalação está pronta, que tudo foi reconstruído, purificado, depois que todos os encanamentos internos foram trocados e revisados, chegará um momento em que o líder da equipe diz: “Tudo certo! Pode ligar a força!” Então a Mãe Divina autoriza… E nasce o primeiro grau de fogo dentro de nós… Sem risco algum…

Podemos explicar dessa forma como estou explicando aqui ou podemos explicar tudo isso utilizando os paralelos do processo de germinação de uma semente após a preparação do solo…

Há muitas maneiras de se explicar isso, mas o princípio é o mesmo. O fato é que quando pedimos nossa iniciação somos iguais àquele sujeito estropiado ou acidentado que se arrebentou com o automóvel nas rodovias da vida e chega ao hospital mais morto que vivo; no caso da iniciação, seguramente mais morto que vivo…

E aí com muita paciência e dedicação, os Buddhas, os Mestres, os Deuses, os elementais vão tratando de reconstruir pedaço a pedaço, parte a parte.

Primeiro reconstruir e purificar tudo para depois o fogo ser liberado. Se liberar o fogo antes de todo esse processo, é o mesmo que conectar uma velha instalação elétrica numa rede de alta tensão… Entendem isso?

Se a instalação é mal feita, ou se foi feita com uma fiação não indicada, a hora que a voltagem subir, vai incendiar. O resultado disso, de alguém que não fez sua parte, é o mesmo que ir para o hospício aqui em nosso mundo. O sistema nervoso, simpático, parassimpático, todas essas conexões nervosas, todas as conexões e aberturas e fechamentos dos sistemas elétricos em nosso cérebro [sinapses], não só em nosso cérebro, mas em todo sistema nervoso central, é tudo muito delicado…

Os médicos sabem quão delicado é o sistema nervoso aqui em nosso físico, imagine o quão mais delicado é o sistema elétrico, ígneo, que nós, genericamente, denominamos Kundalini. Não temos idéia do que é Kundalini – a verdade é essa; a humanidade não tem a mínima idéia do que existe por trás desta palavra…

Chega a ser deprimente quando ouvimos ou vemos por aí verdadeiros tontos, ignorantes totais, falando sobre Kundalini. Falam de Kundalini como quem discute futebol.

Esta é a realidade e sobre ela estamos falando hoje. Oxalá realmente nos seja possível despertar mais alguns estudantes sobre a delicadeza de todo esse processo, e, principalmente, sobre aquilo que é esperado de nós para nos conectarem com a grande rede elétrica cósmica.

Isso é feito aos poucos, corpo a corpo, grau a grau. Para cada um de nós, para cada ser humano, o processo é único, ainda que, em linhas gerais, siga o mesmo procedimento.

O fato é que, na prática, pelas histórias de vida, pelos raios, pela gravidade da nossa condição atual [karma], isso seja uma operação delicada, muito especial e específica.

E digo mais: se não existissem os Buddhas, os Mestres da Loja Branca, esses Deuses que cuidam disso, que são encarregados disso, cuja função no cosmo é exatamente desmontar e montar seres humanos, trocar as peças internas, refazer, refundir, etc. estaríamos perdidos.

Justamente aqui entra tudo que é falado na mitologia, como, por exemplo, o Deus Vulcano forjando espadas, escudos, armas e também peças para serem aplicadas em nossa coluna vertebral e em nossos órgãos nos mundos internos. Isso é real, meus amigos. É como pode ser visto com olhos de ver… É tão real tudo isso como cada um de nós, aqui, levar o seu carro a uma oficina mecânica para trocar peças ou refazer o motor.

Falamos dessa forma para que todos entendam o processo e o trabalho dos Buddhas, Deuses, Mestres e elementais durante nossa iniciação. É preciso reconstruir os corpos internos… E isso é feito dessa maneira…

Não queremos, falando assim, vulgarizar o processo; pelo contrário, descemos a esse nível de linguagem para sermos didaticamente compreendidos e mais produtivos; para que todos entendam a delicadeza e a necessidade que temos de fazer a manutenção básica aqui, tomarmos os cuidados básicos aqui, no dia a dia. Tudo que fazemos aqui, em pensamentos e obras, reflete-se no interno…

Esperamos com isso que todos se sintam mais motivados, para que tenham uma noção melhor do que é esperado de nós em termos de cuidados e conduta reta, méritos no coração e mística, práticas esotéricas e qualidade espiritual de relação sexual, no caso dos casados.

Muitos por aí têm a idéia, profundamente equivocada, de que se ficarem dez dias conectados direto, despertarão Kundalini; e se fizerem duas horas de arcano diariamente, muito breve despertarão Kundalini…

Mentira, engano, fantasia! Isso não procede! Se ficarem um minuto unido no chamado abraço AZF, no abraço alquímico, feito com mística, pureza, com as condições internas adequadas, este minuto vale mais do que um ano feito no sistema “vale tudo”, já mencionado…

Colocamos hoje tudo isso em formas contrastantes para que todos entendam que a prática alquímica é algo sagrado, e que atrás disso tudo, existe a divindade viva nos observando. Não há nenhuma diferença entre Ela [a divindade] e nós porque Ela somos nós, só que ignoramos isso aqui agora.

Atrás dessas expressões tão repetidas no ambiente gnóstico, como “despertar Kundalini”, “magia sexual”, “arcano AZF”, “prática de solteiro” há tudo isso e muito mais que nem mencionamos… Hoje, aqui, nosso objetivo era dar uma mensagem sintética sobre a realidade do despertar de Kundalini…

Até aqui nossas palavras; ficamos agora à disposição dos presentes para aprofundar os aspectos ou elementos que quiserem apresentar…

 

 

Perguntas

 

P: Os sintomas do despertar de Kundalini podem ser constantes? Ou seja de mês em mês ou até mesmo em semanas repetidas?

R: Meu caro amigo, os sintomas de despertar de Kundalini são presentes 24 horas por dia, 365 dias por ano. Quem tem Kundalini desperto sabe disso…

 

P: Um solteiro que não faz corretamente seu trabalho de transmutação poderá transformar-se em hanasmussen ou robustecer seus egos?

R: Um solteiro que não faz corretamente o seu trabalho continuará no nível em que está; ele não se complica mais porque não trabalha com energias poderosas. Diferente é o caso daquele que é casado e faz isso que denominamos de “luxúria casta” – que é, supostamente, uma prática de AZF. Mas, na verdade, é um “vale tudo sem perder suas energias”. Esse sim, em 12 ou 15 anos se transforma em hanasmussen de, pelo menos, terceiro grau. O solteiro que não trabalha direito está perdendo seu tempo, só isso…

 

P: Temos que eliminar um mínimo de defeitos para despertar Kundalini?

R: Sim, temos que eliminar um determinado percentual de defeitos para que desperte Kundalini. É aquilo que falamos: é preciso fazer a purificação, é preciso que os Mestres tenham a percepção objetiva e direta de que o poder divino, ao qual o estudante vai ser conectado, não o arrebente, e não venha usar esse poder contra si mesmo e contra seus irmãos.

 

P: Tem como perceber, no plano físico, quando nossas estruturas energéticas estão sendo retificadas nos mundos internos pelos Mestres?

R: Sim, meu amigo! Sentem-se determinados reflexos aqui no mundo físico. Há dores no interior da coluna, nas costas, na cabeça; há dores que não podem ser localizadas no nosso interior. Claro que isso também são sintomas de doenças e enfermidades físicas. Então, sempre que alguém nos escreve falando dessas coisas, primeira providência que recomendamos é fazer um exame geral para ver se não há nenhuma enfermidade orgânica. Não podemos cair na fantasia, na mitomania. Mas, corroborando com o que você capta, sim, há correspondências físicas a respeito de algo que está sendo feito em nosso interior…

 

P: Um simples pensamento que não condiz com a pureza dos Deuses pode retardar o progresso de Kundalini?

R: Sem dúvida nenhuma… Por isso insistimos muito em purificação da mente, falamos muito da castidade da mente… Em tendo castidade da mente, com o tempo a castidade física se apresentará normalmente, sem que alguém tenha que se matar para conquistar isso, se açoitar, se castigar. Não adianta forçar; ninguém pula o Jardim do Éden pela muralha; você entra pela porta da frente. Quem pula o muro e invade janela é o pessoal do outro lado, não esqueçamos disso.

 

P: Kundalini é a Deusa viva em nós, e nosso Íntimo seria nosso interno?

R: Há que se entender o que é o Ser. O Ser é uma realidade muito ampla. Dentro do Ser estão os 12 apóstolos, os 24 anciãos que fala João no Apocalipse, estão as 12 constelações ou signos zodiacais; dentro de nós estão os profetas, os santos, muitos átomos divinos dos Deuses e vai por aí a fora. Cada um de nós tem partes do mundo exterior aqui e agora. Esse conjunto é o que chamamos de Ser. É nesse conjunto que temos a parte feminina de Deus que é nossa Mãe Divina e que o Mestre Samael descreve como tendo cinco aspectos distintos; sugiro estudar esse capítulo do livro “As Três Montanhas”, falando sobre os cinco aspectos da Mãe Divina…

 

P: Poderia explicar melhor sobre especialistas que conduzem ou refazem vértebra por vértebra?

R: Vêm-me à memória vários casos concretos de boddhisattvas caídos; ao caírem, tiveram sua coluna totalmente arrebentada como se uma força interna explodisse literalmente a coluna… Essa coluna vertebral, vista com olhos espirituais, é uma coisa feia de se ver, como se você visse uma pessoa andando pela rua com a coluna totalmente aberta e com os ossos aparecendo ou saltando para fora. Então, é claro que isso vai exigir uma reconstrução total e completa… Outros, que estão por aí, boddhisattvas caídos que estão rolando há milhares de anos pelo lodo da terra, tiveram ou têm seus dutos internos [que equivalem às veias e aos nadis energéticos], outros canais no mundo do corpo astral, além do corpo etéreo – enfim, todos esses canais, dutos, a tubulação que temos, tudo isso precisa ser trocado, refeito, limpado, purificado e em muitos casos precisam ser trocados. Isso envolve peças de reposição ou partes que precisam ser forjadas. Quem é que forja? – Vulcano. Onde? Na forja! Onde é que está a forja? Dentro de nós, no sexo. Portanto, aquele que não tem energia, fogo, poder, matéria prima armazenada dentro de si, ou aquele que perde suas energias sexuais, é evidente que não é possível a nenhum forjador forjar coisa alguma. Aí ficamos na rua da amargura… Não temos matéria prima a oferecer aos elementais, aos Buddhas, aos Deuses encarregados de refazer, refundir todo este material. Então, uma coluna vertebral muitas vezes precisa ser construída inteira; ela é desmontada, literalmente, vértebra a vértebra, e depois é reconstruída, limpa e tratada com remédios e ungüentos medicinais que os Mestres aplicam… Em resumo, assim, dá para ter uma idéia do que realmente acontece internamente; espero que tenha captado a idéia…

 

P: Existe alguma indicação prévia que Kundalini irá despertar?

R: Bom, há muitas indicações prévias… Você pode ser avisado em sonhos simbólicos, pode que algum irmão, isso é raríssimo hoje no mundo, se tiver confiança e autorização para tal, diga ou revele tal evento; mas é muito difícil achar alguém com tais capacidades. O normal é em sonhos ser avisado, e pelos sintomas físicos, perceber que Kundalini irá despertar. Alguns irmãos que vivem esses processos aqui mesmo no Brasil – e que orbitam dentro desse pequeno canteiro de obras chamado Igreja Gnóstica do Brasil – falam que a eles foi indicado de forma mais objetiva: o próprio Senhor Anúbis se apresentou a eles dizendo que isso ia ocorrer, mostrou-lhes a balança em equilíbrio, com os pratos equilibrados, indicando que havia mérito no coração. Mostrava-lhes um ninho com serpentes despertas, mas não levantadas ainda; uma ou duas ou três, de acordo com os Kundalinis que iriam subir nessa atual encarnação. Isso são alguns exemplos do que têm acontecido com alguns irmãos e irmãs que estão vivendo esse processo neste momento aqui no Brasil e a quem temos acompanhado seus processos neste mundo… Claro que essas pessoas são acompanhadas e assistidas nos mundos internos. Mas, alguma coisa é necessário fazer aqui, neste mundo também – e é o que temos feito desde há algum tempo…

 

P: A energia de Kundalini é a veste do iniciado?

R: Não exatamente, porque as vestes são construídas com o mercúrio transmutado. Então é preciso primeiro economizar essa energia, preservar, guardar e transmutar essa energia; essa energia transmutada vai se depositando nos átomos, elétrons, moléculas e, gradativamente, vai se formando um novo corpo. Primeiro se refaz atomicamente todo o corpo físico, depois o etérico, em seguida o astral, e assim sucessivamente. É claro que esse processo de construção ou reconstrução de corpos se dá simultaneamente ao avanço de Kundalini. Por isso que às vezes a gente confunde Kundalini com as vestes. Não é bem assim, é preciso se ter um entendimento mais específico…

 

P: Quem jogou sua energia fora por muitos anos sem saber dos prejuízos e agora vê os prejuízos em seu próprio corpo, pode se recuperar através da magia sexual ou pranayama?

R: Sim, e para isso a primeira coisa que indicamos é ouvir as duas últimas conferências. Segundo, estude aquele documento que está em nosso site chamado sexualidade gnóstica para solteiros; em terceiro lugar é obvio que você precisa passar a viver de acordo com os ensinamentos dados ali. Em quarto lugar, negocie urgentemente tua salvação com o Senhor Anúbis, porque em dezembro 2007 fecham-se as portas para negociação, e aí você ficará por conta…

 

P: Você falou que Kundalini é fogo, quando o Senhor Samael fala que a água é o habitat do fogo, quer isso dizer que no sêmen está Kundalini, é isso?

R: Mais uma vez, meu amigo, temos que ser mais sutis ou sensíveis à percepção. A água sem dúvida nenhuma é o habitat do fogo; isso quer dizer que nas águas genesianas está o fogo, o fogo universal, a névoa de fogo. Mas isso, embora se possa dizer que seja parte de Kundalini, não é a Kundalini em si mesma. A matéria da névoa de fogo e a matéria de Kundalini – ou a realidade de um e de outro, em essência – é a mesma, na base é a mesma. Porém, depois, pelos trabalhos alquímicos e de refinamento, obtém-se uma individualidade, aperfeiçoamento, purificação, apuro, pureza e qualidade. A matéria prima é o sêmen e é desta matéria prima, ou água genesiana, que se retira o alimento para Kundalini. Kundalini é algo vivo, precisa de alimento. De onde vem o alimento? Dali…

 

P: Quem ainda não tem 21 anos começa a trabalhar com transmutação de solteiro?

R: Nem pouca idade nem muita idade é explicação para deixar de fazer o trabalho… É preciso superar a preguiça, o comodismo, as explicações, as autojustificativas. É preciso aprisionar o Pilatos que lava as mãos permanentemente para não ter que fazer nada… É preciso acabar com o demônio da má vontade e se lançar definitivamente nesse caminho ou nada será feito…

 

P: Kundalini em um Mestre possui um fluido inesgotável de energia?

R: Sem dúvida nenhuma. Kundalini de um Mestre é a própria fonte inesgotável de energia porque, por ele, flui a energia do cosmo; entenda desta forma e estará bastante perto da realidade. O dia que você ver isso entenderá exatamente o que dizem essas palavras…

 

P: A prática da yoga da juventude ajuda o trabalho dos Buddhas na retificação desses canais?

R: Toda prática esotérica que fazemos aqui ajuda não só os Buddhas, mas também os elementais… Entendam que os elementais são os operários, as abelhas que elaboram o mel, que constroem o favo; é toda uma equipe de trabalho… A base, o chão de fábrica, são os elementais; então, temos que fazer essas práticas de yoga da juventude, mantras, práticas com os elementais diretamente, todos os dias, justamente para alimentar bem e produzirem mais e melhor… Este trabalho também gera moedas para pagar nossas contas ou negociarmos junto ao Senhor Anúbis.

 

P: A Mãe Divina permite que Kundalini desperte em alguém que não despertou o mínimo de consciência?

R: Esse termo “despertar a consciência” é algo que também na Gnose não foi devidamente entendido… Em nosso site há conferências onde buscamos dar um entendimento mais amplo do que seja consciência e despertar… O que é consciência? Entendemos que consciência desperta é e só pode se dar pela morte de ego. Se não temos 10, 15, ou 20 % de egos eliminados, ou de mente purificada, dificilmente teremos méritos no coração para despertar Kundalini. Muito difícil, então, na prática, que Kundalini desperte; mas, aproveito sua pergunta para repetir algo que é muito importante nesses tempos finais… Nestes tempos finais, não importa quantos Kundalinis você tem; você pode ter meio Kundalini desperto, mas isso é suficiente para que sua alma seja resgatada. Ao ser resgatada, logo após o desencarne, você vai para uma determinada região, que denominamos “ilha”; nesta ilha você prosseguirá o trabalho de morte e do despertar de consciência, junto com sua Mãe Divina. Esse é o entendimento que queremos passar a todos… Temos dito aqui sempre que não há mais tempo para ninguém se auto-realizar ou eliminar cem por cento do seu ego. Então, a Loja Branca, o Tribunal da Lei, estão fazendo esse tipo de negociação. Mas, não nos enganemos: é preciso levar com seriedade, profundidade e muita responsabilidade toda essa questão de resgatar a alma, negociar o seu karma e fazer as práticas que a Gnose ensina…

 

P: Com o despertar de Kundalini adquirimos poderes especiais?

R: Olha, meu amigo, tenho muito presente comigo uma frase do Mestre Samael que diz o seguinte: “os poderes são pagamentos que o Logos realiza por trabalhos realizados”. Kundalini dá muitos poderes, não necessariamente que dá todos os poderes do universo… Isso é dado segundo os méritos dos trabalhos realizados, são pagamentos que a divindade nos faz por trabalhos realizados.

 

P: O progresso do Mestre Samael da 1ª a 5ª iniciação maior foi muito rápido, se não me engano em cinco anos? E qualquer um que se dedica com tanto afinco pode se desenvolver com tanta rapidez?

R: Eu te digo mais: aqui no Brasil há pessoas que caminharam muito mais rápido até… No caso do Mestre Samael, isso se deveu à condição de despertar que ele já possuía… Pode-se desenvolver com mais rapidez, muito mais rapidez, mas é preciso trabalhar muito. É por isso que, de forma codificada, tenho dito: “façam à parte que lhes corresponde, e confiem”. Vocês não têm idéia da realidade que está em outros universos, realidades paralelas a nossa. Nós não temos idéia do poder e da atuação da Loja Branca, interagindo aqui e agora, neste mundo, através de algumas pessoas; acreditem nisso. Mas, infelizmente, quando falamos “acreditem”, é desviado; as pessoas tomam isso como se quiséssemos enganar incautos. Todo mundo se debate em sua própria ignorância. Porém, se você reunir em si o mínimo de fé, e fizer a tua parte, apenas focando a tua parte, confiando que a Loja Branca fará a contrapartida, não por exigência sua, mas porque assim é o natural, as coisas se darão no tempo devido. O universo se move em cima do equilíbrio da balança, acredite. Em um ano se pode levantar cinco Kundalinis, mas isso é muito raro acontecer; são para boddhisattvas caídos de grandes Deuses que efetivamente trabalharam muito sobre si, fizeram trabalho nesta vida; nem falo de vidas anteriores, porque há que estivesse inclusive no inferno, como é o caso de Belzebu. Não estou dizendo que Belzebu levantou cinco Kundalinis… Só estou usando Belzebu como um exemplo de que, para o amor divino, a misericórdia divina, não há limites; acredite nisso; faça por merecer; conquiste esse direito.

 

P: Os salvos são apenas aqueles que têm Kundalinis despertos?

R: De certa maneira sim, porque senão, não resiste a certos processos do desencarne. Então, esses que vão resgatar a sua alma, terão o fogo desperto; não digo que venha a ter todo o primeiro Kundalini levantado, não! Mas terão fogo suficiente para resistir os processos de morte e pós-morte. Isso é o mais importante neste momento, porque estamos em tempos finais e pouquíssimo tempo temos pela frente…

 

P: Se praticamos arcano, até onde sei, castamente, por algumas semanas, e após isso ficamos uns dias dispersos do trabalho prático, sem perder a energia sexual para outros cilindros, essa energia se perde, se dissipa?

R: Não, esses trabalhos de castidade são como carga na bateria… Lembre-se que na última aula falei que o Mestre Samael, depois que se tornou um duas vezes nascido, esteve sete anos afastado de práticas alquímicas, apenas meditando e eliminando defeitos. É claro que esses defeitos foram eliminados devido ao fogo que tinha dentro de si. Apenas algumas semanas de castidade não muda nada… É a mesma coisa que alguém usar guarda-chuva depois de estar encharcado, depois de ter atravessado um rio a nado. De que vai servir um guarda-chuva? Mas é assim que se começa, isso é importante. Começa-se preservando a própria energia por dias ou semanas; é preciso reeducar a fisiologia, o corpo, o pensamento, os sentimentos. Tudo precisa ser reeducado, e isso não se faz da noite ao dia. É importante deixar claro esta concepção para que ninguém entre em pânico, entre em desespero. Isso não resolve nada, não soma nada; pelo contrário, só complica. Essa história de se fazer de coitadinho diante da divindade é a maior besteira que alguém pode ensinar dentro da Gnose. Temos que ser honestos, sinceros, puros, assumir a responsabilidade de cada um de nossos atos, e fazer o trabalho que nos cabe fazer…

 

P: Porque Kundalini, na simbologia de uma serpente, engole o aspirante ao caminho? Ou isso não acontece?

R: É um símbolo… É claro que vamos ser devorados pela serpente. Isso quer dizer que nos transformamos em serpente… A Mãe se apodera de nós e nos tornamos um com ela; esse é o propósito da iniciação. É isso, então, que em simbologia significa ser devorados pela serpente…

 

P: O estudante que desencarna pode ser resgatado mesmo se ainda não

estiver desperto no astral?

R: Sem dúvida… Isso também pode ser incluído no rol das fantasias que se espalharam dentro do meio gnóstico. Por aí, em muitos lugares, é ensinado desesperadamente a sair em astral, como se alguém, um fantasma lunar, totalmente tomado de egos, pudesse sair em astral… Isso é mero desdobramento do ego… Entenda-se, definitivamente, que só sai em astral quem tem corpo astral. Se em algum momento, em alguma existência anterior, você criou o corpo astral, então, você pode sair em corpo astral porque você tem de fato um corpo astral… Bem verdade que os poderes, as características, as virtudes deste corpo astral, no momento, estão apagadas, desligadas, adormecidas. Porém, se negociar com a lei divina, fazer a tua parte, começar a fazer a tua parte com sinceridade, com responsabilidade, com entrega, terá a sua oportunidade. Volto a repetir: não temos idéia do que é o poder divino interagindo aqui neste mundo físico…

 

P: Quanto à transmutação de solteiro, a prática diária do pranayama egípcio é suficiente, além da conduta reta?

R: Se você fizer dez minutos de transmutação de solteiro por dia, isso é suficiente, além da conduta reta e das meditações… Isso é o suficiente! Claro que nesse conjunto de práticas você inclui, por exemplo, na conduta reta, a morte dos defeitos e o trabalho junto a tua Mãe Divina para que ela elimine esses defeitos… Isso é suficiente, sim.

 

P: Como saber se já estamos usando roupas limpas nos mundos internos?

R: Só vendo! Você pode pedir a tua Divina Mãe que mostre o teu real estado interior; você pode pedir aos Mestres da Loja Branca ou ao teu Pai, ao Senhor Anúbis, que mostre a tua real condição interior; em sonhos você poderá se ver exatamente como está neste momento.

 

P: Algum desvio da coluna ou má postura pode atrapalhar Kundalini?

R: Não, estas questões não têm correlação. Talvez você venha sentir mais dor quando iniciar os processos, isso é possível, mas não é impedimento de nada…

 

Autor Karl Bunn

Para um maior aprofundamento, recomendamos: Os Mistérios Sexuais da Gnose


O texto acima é cópia integral, (modificada a pontuação e feitas algumas alterações para dar o formato de texto), de uma conferência ditada por Karl Bunn, presidente Igreja Gnóstica do Brasil – www.gnose.org.br – realizada ao vivo dia 11.09.2007, por intermédio do programa Paltalk, via Internet. Transcrição de texto: Mariana Cunha. Revisão final feita pelo próprio autor.

ABRAGNOSE - Academia Brasileira de Gnose

Lançamento 1ª versão: 4 de fevereiro de 1997. Atualizações contínuas e permanentes. Copyright 2005-2014© Todos os direitos reservados. A responsabilidade deste site é da Igreja Gnóstica do Brasil - IGB